domingo, 18 de dezembro de 2011

Como surgiu a ideia de A Casa de Ossos

                As ideias simplesmente surgem... Tanto para os músicos, quanto para os autores, por isso, é preciso prestar atenção nos pequenos detalhes da vida. Acredito que os artistas são antenas que recebem sinais da energia criadora e fantástica da existência, por isso, nos identificamos com uma canção que parece que acerta o alvo, por isso viajamos com um livro que nos arranca do nosso cotidiano. Por quê? É preciso lutar, mas não só lutar... É preciso viver um pouco também. Saber como viver, aproveitar a vida e os momentos, torná-los marcantes e únicos, pois, como todos sabem, a vida é feita de momentos, como a felicidade que, na verdade, são momentos que colecionamos conforme vivemos. Felicidade é um estado de espírito, um momento que tornamos maior que aqueles que nos fazem querer desistir. Às vezes estes momentos encontramos ao abrir um livro ou ao ouvir uma canção, ao rever um amigo, ao conhecer um desconhecido que se torna extremamente necessário para a nossa existência... São as maravilhas da existência, como essa saída básica da verdadeira razão deste texto estar sendo escrito: sobre o fato de como aconteceu à idéia de meu livro “A Casa de Ossos”. Bom, todo o texto que escrevi acima foi simplesmente para mostrar que algumas idéias simplesmente nascem de uma pequena observação, de um detalhe que não passa despercebido por olhos que sabem explorar ou que simplesmente, captam sinais de outras esferas. A Casa de Ossos nasceu de um espelho de tomada de banheiro. Quem já alugou uma casa sabe que a maioria precisa de uma reforma aqui ou ali, eu passei por isso alguns anos atrás. Depois de ver toda as instalações eu e um amigo fomos olhar os interruptores, ao chegarmos no banheiro, este meu amigo observou que, no espelho da tomada, haviam dois filetes de ferrugem descendo dele pela parede, claro, estavam secos, então ele disse: Nossa Adriano, tem gente enterrado ai dentro. E foi nesse momento que veio a idéia e naquele mesmo dia, comecei a escrevê-lo e, os demais detalhes foram surgindo conforme as páginas iam sendo escritas, mas, existem outros segredos nesta história, coincidências bem estranhas e inquietantes, mas, sobre elas, falarei em outro momento. Mas, se quiser descobrir o por que o livro chama-se “A Casa de Ossos” te convido à descobrir. Felicidades e que Deus abençoe a todos.

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Arquivo Kirian (resposta enviada de sua mulher, Judith, que permaneceu na Alemanha enquanto o marido se estabelecia no Brasil)

Poxa! Cansado até mesmo para falar com sua mulher? Não creio no que acabei de ler, mas... Tudo bem, fazer o que  né? Quando você estiver descansado e relaxado depois de uma massagem exótica de alguma brasileira sambista, você me liga, enquanto isso vou ficando por aqui esperando a sua lembrança de nossa existência... Mas, deixa eu parar de pensar nisso, eu realmente fiquei chateada por saber que estava cansado demais para me ligar... Estou preocupada sabia? Fiquei o tempo inteiro assistindo televisão para não ter nenhuma surpresa inesperada, mas que bom que foi apenas uma pequena turbulência (essa palavra tem acento viu, não fica bem você escrevendo errado). As crianças estão bem e como eu, também estão com saudades... Lhe mandam lembranças... O Chris ficou empolgado com sua observação com as garotas brasileiras, mas eu não... Como você sabe hein? Acho que esta olhando demais para os lados... Eu queria ter ido com você no mesmo instante, não sei por que não insisti, agora fico aqui agoniada... Sabe como sou... Enfim, fico feliz que tenha chegado bem e que nada aconteceu de ruim para você e espero que nada aconteça de ruim para mim também... Se concentre no trabalho viu, senhor Lepárdy e não esqueça que deixou uma mulher do outro lado do mundo também tá.
Mande notícias todos os dias
Amo você também
Judith Lepárdy

ps. Toma sua linha hein :)

Arquivo Kirian (email extraído de seu notebook)

Querida Judith

Como vai meu amor? Espero que esteja bem. Acabei de chegar ao hotel e estou simplesmente cansadíssimo e estressado demais... Além do longo vôo, tivemos algumas turbulencias que... sinceramente, me fez pensar que estava completamente errado em fazer o que estava fazendo, mas cheguei ileso por aqui, os contatos me recepcionaram muito bem e daqui a pouco irei começar a procurar alguns imóveis para começarmos a nos instalar... Estou com um pouco de receio, é um lugar muito diferente de nossa casa, além de ser quente demais, estou sentindo que posso acabar derretendo a qualquer momento... Espero que isso não aconteça, quanto aquelas conversas que tivemos, não se preocupe, acho que as coisas aqui não são tão terríveis quanto imaginamos. Tudo vai acabar bem, meu amor.
Desculpe-me o curto email, mas quero descansar um pouco e não estou me sentindo a vontade para falar demais, então, não se incomode, não que não queira ouvir sua voz, mas estou realmente cansado e preciso dormir um pouco para ver se me acalmo... Estava realmente acreditando que finalmente iria descobrir se realmente existe um lugar para onde vamos depois de morrer...
Saudades, amo você
K

ps. Mande um beijo para as crianças e diz para o Chris que ele vai ter um monte de gatinhas por aqui